Ilha 05 | Maria Palmeiro

(01 a 20 de setembro de 2018)

Desdobrar a pintura
partitura para Maria Palmeiro


Tudo está se movendo.
Parece inviável qualquer estabilidade.
Já registramos a tridimensionalidade, o contexto, o ambiente na pintura.
Vimos a pintura ir e voltar.

Interessa o que acontece à pintura.
Ou melhor, a pintura é o acontecimento.

A informação não é experiência. *
O ritmo é.
O trabalho é ritmo.
O corpo é trabalho.

Uma dinâmica diurna.
E a rotina como visualidade.

Deixemos as variações.
A dispersão vai fazendo sentido.
Não por serialidade mas por repercussão.

São parâmetros, propostas.
Cores e arbítrio articulando espaço.
Muitos projetos viáveis.
Instalação, performance, jogo.
Enquanto alternamos a desconsideração com a reverência.

É finito porque é presencial.

*Jorge Larrosa Bondía
Notas sobre a experiências e o saber da experiência

curadoria | João Paulo Quintella  /  curadora assistente | Ana Bourdagohe